quarta-feira

A minha memória preferida

Um dia, era eu criança, num impulso peguei no meu gato e atirei-o da varanda. Fiquei suspensa em incredulidade, encostando-me na parede na esperança de desaparecer por ela adentro durante tempo que agora não sei se muito ou pouco. Porque fiz aquilo? Lembro-me e não sei se é verdade, que me custava a respirar ou lembro-me agora do meu respirar, no pânico de me perceber. A certo momento, muito ou pouco depois de ter atirado o gato, movi-me para o beiral e olhei para baixo. Quando não vi o gato, corri para dentro da casa, lembro-me que corria muito depressa e criava ondas de ar pela casa, que me empurravam pelas escadas, pela rua, mas pode até nem ser verdade que corri depressa. Procurei o gato onde o gato devia estar, procurei debaixo das roseiras, perto da camélia, por entre os caules secos dos lírios e não percebia para onde ele se teria arrastado. Ele tinha de estar por ali e depois de muito tempo a procurar, desisti, mas remoendo por dentro tudo aquilo que eu não conseguia perceber. Que eu tivesse morto o gato e que o gato tivesse desaparecido. Como devem estar a prever, o gato apareceu-me mais tarde, completamente saudável, parecendo não albergar qualquer ressentimento. Inacreditável. A minha conclusão, na altura, foi que deus tinha-me dado uma segunda oportunidade. :)

4 comentários:

Helena disse...

E aproveitaste a segunda oportunidade também?
;-)

(belo post, claro!)

abrunho disse...

nunca mais tentei matar nenhum mamifero... de resto, vivi(o) a cruz de um bom católico: a montanha-russa eterna de tentar ser boa, ser má, tentar ser boa, ser má, tentar ser boa,...

Helena disse...

isso só acontece aos católicos?...

abrunho disse...

Era ironia. Se uma católica não apanha esta...