terça-feira

indignação nascida do governo sombra

Estou indignada. É verdade! E pensei: não posso desperdiçar isto. E cá estou fazendo o grito moderno: postar na internet.

Portanto, estava escorregando na neve fresca a caminho do trabalho, enquanto ouvia o Governo Sombra, quando o João Miguel Tavares veio com uma das suas indignações: um homem deu dois estalos à ex-mulher e o tribunal superior bleleleh confirmou o juízo de primeira instância de que não foi caso de violência doméstica, mas só assalto blelelh simples. E o JMT começa uma das suas arengas confusas, em que de uma certa forma disse que estava indignado, mas por outro lado também não, mas como morreram muitas mulheres em Portugal, mais que dez do que no ano passado, estava, e ainda por cima ninguém faz filmes sobre isso como em Espanha, mas foram duas estaladas, também não é para, mas foram estaladas e... No final não se percebeu bem. Estava à espera do Pedro Mexia para dizer algo inteligente e ele conseguiu descer do nível do JMT e dizer a coisa mais básica possível: agressão física + meio doméstico = violência doméstica. E claro, o RAP disse uma chalaça.

Portanto, estes tipos não entendem o que é violência doméstica. Eu explico: violência doméstica implica um nível de expectativa aterrorizada. Pode até nem ser físico. Pode ser psicológico. Mas implica um temor como se todos os dias pudesse acontecer um terramoto. E não penso que diminuímos a verdadeira violência doméstica fazendo um gajo que perdeu a cabeça com a ex-mulher pagar por todos os animais que aí andam. Acho bem que pague pelo que fez, mas não que façam dele o bode expiatório de outros. Talvez o que o JMT queria dar era uma ideia para um filme para sermos mais como os espanhóis. O homem vai para a prisão e a irmã torna-se advogada para o salvar da injustiça. Ah, espera, já foi feito.

Mais à frente no programa, o JMT faz piadinha com o sexo surpresa de que a justiça na Suécia acusa o Assange. Portanto, que mal pode haver em sexo surpresa? Eu pessoalmente gostaria que a esposa do JMT pegasse numa banana e a enfiasse num sítio que eu cá sei enquanto o JMT dorme. Quem é que não gosta duma surpresa destas? Quem?

Ou seja, o JMT acredita uma injustiça para as mulheres que um homem não pague por outros homens e acha uma injustiça que um homem não possa ter sexo com uma mulher inconsciente. Isto é um feminista profundo.

3 comentários:

Luis disse...

Eu sempre ouvi dizer que o casamento não era um jogo para meninas ...

Luis disse...

Agora mais a sério.

Essa coisa do sexo surpresa a mim parece-me uma subtileza jurídica muito complicada de entender.

Se o homem tenta um avanço sexual de surpresa e a mulher resiste sem que ele meta travões a fundo trata-se de violação ponto final.

abrunho disse...

Provavelmente a mulher não pôs travões a fundo. Só depois quando deve ter apanhado alguma coisa menos boa e andava atrás do Assange para ele ver da ponta, é que foi à polícia, explicou como é que teve sexo com ele sem protecção e a polícia lhe disse que entrar numa casa, fazer uma festa, sem primeiro pedir permissão é na Suécia crime.

Seja como for, sendo tudo isto verdade, significa que o Assange é um típico anormal de computadores: o sexo que têm é com eles ou com bonecas. Só que o Assange, com a fama que tem, tem realmente acesso a mulheres, só que continua a preferi-las inertes como uma boneca.