quinta-feira

Pide em Zurique

E perguntam: onde andas. E eu digo: cá estou, Zurique. Há gente a falar português debaixo de cada pedra: brasileiros, portugueses e angolanos já foram detectados pelo radar lusolândia, tantos que me saturam o detector. Por exemplo, no outro dia um grupo de turistas brasileiro em excursão relâmpago (aquelas em que tens 1 hora para ver Zurique, 2h para Munique e 4h para Paris) entupiu uma daquelas ruas estreitíssimas da zona antiga e ali fiquei num engarrafamento pedestre. Por exemplo, no outro dia estive a ouvir a conversa de um mocinho brasileiro a explicar a uma alemã que os portugueses falam muito depressa, mas é a mesma língua e que só gosta de espanhol por causa da música. Gostei tanto dele, que quase fui à mesa dele e me apresentei devagar. Mas talvez percebesse que eu tinha passado a última meia-hora a espiar e coibi-me. Por exemplo, no outro dia três angolanos divertiam-se com piadolas à custa dos locais e eu fiz um esforço desmesurado para perceber-lhes o português. Conclusão: tenho passado os últimos dias a viver a vida de um pide.

2 comentários:

Luis disse...

"Conclusão: tenho passado os últimos dias a viver a vida de um pide."

Confesso que quando li o título não estava à espera de tanta autoironia :)

abrunho disse...

pensavas q me ia queixar dos suíços... hehe