quarta-feira

em agosto

No meio de uma conversa com o meu irmão, enquanto ele se queixava do Agosto e do trabalho que é esse mês com os imigrantes e eu a queixar-me dos matreiros dos filandeses, que me enganaram em 365 Euros e uns trocos, e ele surpreendido com os escandinavos serem desonestos e eu a dizer que aqui pra cima é muita fama, mas pelo menos lá embaixo roubam-nos com um sorriso de lata, com aqueles gajos ali de cima é como se nos estivessem a arrancar um dente à socapa, o meu irmão perguntou-me porque é que o mar é salgado. Ficou muito surpreendido quando lhe respondi. Não queria acreditar que eu sabia e dito assim, na minha maneira tão profissional. Finalmente, ganhei-lhe algum respeito.

Agora como é que eu lido com finlandeses? Com alemães a receita é, desde que eu esteja para fazer fitas: levo um amigo alemão que faz o papel do homem equilibrado e quando eles começam com desculpas, entro eu, esbracejo, atiro-lhes com lógica, começo a passar-me no meio da loja, pergunto-lhes se pareço estúpida, rodo os olhos com o que eu espero parece desprezo, e eles cagam-se de medo ou de vergonha, ainda não entendi. É claro que tens de ter a razão do teu lado, senão o melhor é fazer de imigrante perdida com grandes olhos assustados e rezar. Mas como raio é que são os finlandeses? Estes parece que cairam no caldeirão de botox em pequenos.

4 comentários:

Helena disse...

e então: porque é que o mar é salgado?

(mas, por favor, não venhas com uma resposta como aquela n2+h2o porque não percebo nada de chinês...)

Helena disse...

Eu não faço cenas em lojas. Escrevo à administração, e recebo na volta do correio um vale no valor de 20 euros, ou algo assim.

E dá-me muito mais gozo destilar bílis para a carta que para o pobre/estúpido/arrogante do empregado.

abrunho disse...

Eu sempre desconfiei que és mais civilizada e esperta do que eu.

A minha resposta é simples. Envolve muitos anos, mesmo muitos, um daqueles números de anos que o nosso cérebro é incapaz de imaginar (o que se chama normalmente tempo geológico) e nesse tempo a lenta erosao das rochas, cujos minerais foram sendo transportados para o mar pelos rios. Atualmente, os minerais mais abundantes no mar sao o sódio e o cloro, os dois átomos que se arrumam um ao outro irmamente para formar o cristal a que chamamos sal, que a nossa língua associa no cérebro a um sabor a que chamamos salgado. A salinidade (a quantidade dos principais minerais/sais) no oceano varia relativamente pouco de um sítio para o outro e com o tempo (nao geologico), principalmente porque é muita água a misturar-se continuamente. Em mares interiores, a salinidade é mais variavel, pois processos físicos como a evaporaçao/precipitaçao, o congelamento/descongelamento, a entrada de rios, envolvem quantidades nao pequenas relativamente á massa de água nesse mar.

Helena disse...

:-)

Quanto ao sal: aaaah...
Obrigada.
Acho que já sabia, mas assim explicado fica muito simples.
O que me lembra isto: o meu filho tem uma capacidade de síntese fantástica. De modo que peço-lhe que me diga o que já sei com as palavras dele, fico com as ideias mais arrumadinhas.