quinta-feira

Nao somos todos verdes

Estive a ler o discurso do Cavaco Silva do dia 10 de Junho, mas nao foi lá que ele disse raça. Portanto, ainda nao sei realmente o que aconteceu. Se realmente é o homem ou um surto viral do politicamente correto. A palavra raça agora nao se diz, seja em que situaçao for, a nao ser seres nao humanos, imagino. Será que a minha piadinha de que em Portugal somos rafeiros é possível? Posso? Ou também é crime lingual?

Seja como for e nao tomando partidos, que eu nao tenho a minima ideia do contexto da palavra na frase e na situaçao, eu aponto este texto que li há muito poucos dias, talvez no mesmíssimo momento em que o Cavaco Silva expelia pela boca a palavra raça, talvez querendo dizer coragem, talvez querendo dizer aquele je ne sais quoi de rafeiro que os portugueses tem, talvez querendo dizer pelo nas ventas, talvez querendo dizer aquela espécie humana de altura abaixo da média europeia, talvez aquele pessoal todo que ouve fado e começa a fungar, talvez tentando animar os tugas choroes a serem mais vertebrais, talvez tentando incutir um certo sentimento de solidariedade (que nao existe), talvez num processo de telepatia, benza deus, espero que esta última nao.

É que se nao somos todos brancos, também nao somos todos verdes.

P.S.: Estive a olhar para a minha última frase e é passível de eu ser também apedrejada. Bem, nao sou famosa, é o que me vale.

1 comentário:

Helena disse...

Parece que foi um lapso. Provavelmente estava a pensar não em raça mas em desenrasca, e saiu-lhe assim.
Não hei-de ser eu quem atira a segunda pedra... ;-)
Parece que o Rui Bebiano escreveu algo interessante e ponderado sobre esse lapso, mas ainda não tive tempo de ler.

O Sócrates outro dia também se saiu com algo como "queremos um Portugal mais isto, mais aquilo, mais pobre" quando, claro, queria dizer "mais rico".
Acho que não é preciso fazer disto um escândalo.
Li o discurso e fiquei muito desapontada. Falava que parecia que estava a fazer contas de merceeiro, e deixou por responder uma série de perguntas importantes. Como se nem sequer soubesse que elas existem (ou: como se não tivesse dúvidas...)