sexta-feira


:fonte:


Harvest of Suicide
, de Vandana Shiva

Excerto:
"De acordo com dados oficiais, mais de 160 mil agricultores suicidaram-se desde 1997 na India. Estes suicídios são mais fequentes nas áreas de cultura de algodão e parecem diretamente ligados à existência de monopólios sobre as sementes. O fornecimento de sementes de algodão na India tem progressivamente passado das mãos de agricultores para as mãos de produtores globais de sementes como a Monsanto. Estas corporações gigantescas começaram a controlar as companhias locais de sementes através de aquisições, criação de consórcios e através de sistemas de licenciamento que conduzem ao monopólio no mercado de sementes.

Quando isto acontece, as sementes passam de um produto comum a serem "propriedade intelectual" das companhias como a Monsanto, e desta forma a corporação pode reclamar proveitos ilimitados através do pagamento de royalties. Para os agricultores isto significa o aprofundamento das suas dívidas.

Para além disso, as sementes passam de um recurso regenerativo e renovável para um recurso não-renovável e uma mercadoria. A escassez de sementes deriva diretamente do monopólio de sementes, que aplicam como arma limite a semente "exterminador" que é criada para ser estéril. Isto significa que os agricultores não podem independentemente renovar o seu stock, mas necessitam de retornar ao monopolista a cada estação de plantio. Para os agricultores isto significa mais custos, para as companhias mais lucro."


tradução minha.

9 comentários:

Helena disse...

O "we feed the world" já falava dessa dependência dos agricultores. Não é só os indianos e o algodão - são agricultores no mundo inteiro.
E nós a olhar.
E a comprar barato, todos satisfeitos com o dinheiro que poupamos.

(lá vamos nós outra vez para a mesma discussão...)

abrunho disse...

Nós não compramos barato. Nós pagamos através dos impostos.

Helena disse...

Impostos que vão para...?

Anónimo disse...

É por estas e por outra q vos digo q a maioria das vezes não sei o q pensar...

abrunho disse...

Que vao para subsidiar produtos cultivados na Europa. No caso do algodao temos os nossos amigos americanos.

Helena disse...

Em suma: dependentes dos produtores das sementes, e obrigados a vender a baixíssmo preço para poderem competir.

Se eu fosse a eles, matava-me...

(passe o humor negor)

Rita Maria disse...

O grande problema não são os impostos nem neste caso os subsídios, mas a possibilidade de andar por aí a patentear sementes como propriedade intelectual...

abrunho disse...

Pra mim o grande problema é que o governo indiano nao consiga, nao queira, nao possa proteger os seus agricultores.

snowgaze disse...

Na Alemanha (para nos situarmos mais perto;) o negócio funciona da mesma maneira. Dou o exemplo dos cereais. Os agricultores têm a possibilidade de plantar as sementes "normais" que crescem menos e são mais vulneráveis aos elementos, ou comprar as sementes caras e estéreis (mas que dão mais retorno) às companhias que patenteiam essas sementes "melhores". Há agricultores que vão por um caminho, e outros que vão pelo outro. Pelos campos nota-se a diferença. Qual compensará mais, no fim, isso não sei. Parece-me é que ao consumidor só chegam produtos caros, independentemente de virem da índia ou da china, ou de a 50km da minha casa.