segunda-feira

Fidelidades

Neste domínio de nos perguntarem fidelidades e abstractos sentimentos pela tribo, como o húngaro a perguntar-me o que é ser europeu, um dia, há uns anos, perguntaram-me se eu, como portuguesa, me sentia mais próxima dos brasileiros ou dos outros habitantes dos outros países na Uniao Europeia. Isto provocou-me uma mistura de convulsoes na amigdala cerebral, que me impediu de responder por largo tempo, o que deu tempo a que o frontal tenha conseguido alinhar uma resposta brilhante, portanto improvável de ser original. Eu respondi que os brasileiros é como os irmaos, a gente nao os escolhe, tem que os aturar, vivemos às bicadas, mas no fundo gostamo-nos e há peculiaridades que partilhamos porque crescemos irmaos. Os outros países europeus sao os amigos que escolhemos para partilhar coisas, a vida, as conversas, os sentires, as contas, as férias, as idas ao cinema, a casa, as bebedeiras, e etc e tal.

7 comentários:

Anónimo disse...

Eu gosto dos brasileiros. E dos povos europeus. Sinto-me europeia mas não todos os dias. E desde os anos 80 do século XX sou euroceptica (em relação à Uniáo Europeia). Portanto, desde que Portugal entrou...

Anónimo disse...

Assinado,
SABINE

abrunho disse...

Ah, sim? Eu também tenho dias. Por exemplo, neste momento, não estou a sentir grande simpatia pelos austríacos. Mas ainda não consegui definir o grau de abstenção. Os jornalistas têm ideias estranhas sobre o que é informação importante.

Helena disse...

Bem, entre os austríacos e os brasileiros, mesmo antes destas eleições eu não tinha dúvidas.

Essa pergunta que te fizeram é um bocadinho "gostas mais do papá ou da mamã?"
Com uma dificuldade acrescida: a mamã, a Europa, são muitas. Sei lá de qual delas gosto!?

Tenho muita sorte com os brasileiros que conheço: falo (lista incompleta) da alegria, da delicadeza, dos conhecimentos sobre avanços tecnológicos. Se quero saber alguma coisa sobre o que se passa fora da Europa, pergunto aos amigos brasileiros.

Gostava que a Europa soubesse integrar as suas pessoas como o Brasil o faz.

Diogo disse...

Eu prefiro a Suécia e as terras nórdicas em geral (incluindo a Islândia). Não se trata de incesto com a mamã ou as irmãs. É mais a paixoneta que normalmente se sente com as vizinhas do último andar.

Há anos, apanhei o elevador e fui lá acima. Tem uma vista espectacular...

abrunho disse...

Incesto com a mamã ou as irmãs? Não sabia que eras Diogosson.

Diogo disse...

DIØGSEN. Era dinamarquesa.